MINHA PAIXÃO - ARTE/S

"DEUS ESTE ANO ME ABENÇOOU ME DEVOLVENDO A OPORTUNIDADE DE RETORNAR A FUNÇÃO QUE TANTO GOSTO DE MINISTRAR AULAS DE ARTE/S".

No entanto resolvi fazer uso deste Blog, para salva guardar todos os conteúdos, atividades teóricas e práticas com registros digitados e fotografados que irei ministrar por cada turma a cada bimestre, na intenção de auxiliar a mim, a meus alunos e a outros interessados.

Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção. Paulo Freire

terça-feira, 24 de junho de 2014

PCN - Parâmetros Curriculares Nacionais - "Arte"

PARÂMETROS
CURRICULARES
NACIONAIS

ARTE

Volume 6 - Arte:

AO PROFESSOR
É com alegria que colocamos em suas mãos os Parâmetros Curriculares Nacionais referentes às
quatro primeiras séries da Educação Fundamental.
Nosso objetivo é auxiliá-lo na execução de seu trabalho, compartilhando seu esforço diário
de fazer com que as crianças dominem os conhecimentos de que necessitam para crescerem como
cidadãos plenamente reconhecidos e conscientes de seu papel em nossa sociedade.
Sabemos que isto só será alcançado se oferecermos à criança brasileira pleno acesso aos recursos
culturais relevantes para a conquista de sua cidadania. Tais recursos incluem tanto os domínios do saber
tradicionalmente presentes no trabalho escolar quanto as preocupações contemporâneas com o meio ambiente,
com a saúde, com a sexualidade e com as questões éticas relativas à igualdade de direitos, à dignidade
do ser humano e à solidariedade.
Nesse sentido, o propósito do Ministério da Educação e do Desporto, ao consolidar os Parâmetros,
é apontar metas de qualidade que ajudem o aluno a enfrentar o mundo atual como cidadão participativo,
reflexivo e autônomo, conhecedor de seus direitos e deveres.
Para fazer chegar os Parâmetros à sua casa um longo caminho foi percorrido. Muitos participaram
dessa jornada, orgulhosos e honrados de poder contribuir para a melhoria da qualidade do Ensino Fundamental.
Esta soma de esforços permitiu que eles fossem produzidos no contexto das discussões pedagógicas
mais atuais. Foram elaborados de modo a servir de referencial para o seu trabalho, respeitando a sua
concepção pedagógica própria e a pluralidade cultural brasileira. Note que eles são abertos e flexíveis,
podendo ser adaptados à realidade de cada região.
Estamos certos de que os Parâmetros serão instrumento útil no apoio às discussões pedagógicas
em sua escola, na elaboração de projetos educativos, no planejamento das aulas, na reflexão sobre
a prática educativa e na análise do material didático. E esperamos, por meio deles, estar contribuindo
para a sua atualização profissional — um direito seu e, afinal, um dever do Estado.
Paulo Renato Souza
Ministro da Educação e do Desporto
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

OBJETIVOS GERAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Os Parâmetros Curriculares Nacionais indicam como objetivos do ensino fundamental que os
alunos sejam capazes de:

• compreender a cidadania como participação social e política, assim como
exercício de direitos e deveres políticos, civis e sociais, adotando, no dia-a-dia,
atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o outro
e exigindo para si o mesmo respeito;
• posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva nas diferentes
situações sociais, utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos
e de tomar decisões coletivas;
• conhecer características fundamentais do Brasil nas dimensões sociais,
materiais e culturais como meio para construir progressivamente a noção
de identidade nacional e pessoal e o sentimento de pertinência ao País;
• conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sociocultural brasileiro,
bem como aspectos socioculturais de outros povos e nações,
posicionando-se contra qualquer discriminação baseada em diferenças
culturais, de classe social, de crenças, de sexo, de etnia ou outras características
individuais e sociais;
• perceber-se integrante, dependente e agente transformador do ambiente,
identificando seus elementos e as interações entre eles, contribuindo
ativamente para a melhoria do meio ambiente;
• desenvolver o conhecimento ajustado de si mesmo e o sentimento de
confiança em suas capacidades afetiva, física, cognitiva, ética, estética,
de inter-relação pessoal e de inserção social, para agir com perseverança
na busca de conhecimento e no exercício da cidadania;
• conhecer e cuidar do próprio corpo, valorizando e adotando hábitos
saudáveis como um dos aspectos básicos da qualidade de vida e agindo
com responsabilidade em relação à sua saúde e à saúde coletiva;
• utilizar as diferentes linguagens — verbal, matemática, gráfica, plástica
e corporal — como meio para produzir, expressar e comunicar suas
idéias, interpretar e usufruir das produções culturais, em contextos públicos
e privados, atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação;
• saber utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos
para adquirir e construir conhecimentos;
• questionar a realidade formulando-se problemas e tratando de resolvê-los,
utilizando para isso o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a
capacidade de análise crítica, selecionando procedimentos e verificando
sua adequação.
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

SUMÁRIO
Apresentação ...........................................................................................................15

1ª PARTE
Caracterização da área de Arte  .............................................................................19
Introdução .............................................................................................................19
A arte e a educação .............................................................................................21
Histórico do ensino de Arte no Brasil e perspectivas ................................................24
Teoria e prática em Arte nas escolas brasileiras ......................................................31
A arte como objeto de conhecimento ..................................................................32
O conhecimento artístico como produção e fruição .......................................35
O conhecimento artístico como reflexão .........................................................43
Aprender e ensinar Arte no ensino fundamental ..................................................47
Objetivos gerais de Arte para o ensino fundamental  ...........................................53
Os conteúdos de Arte no ensino fundamental .......................................................55
Critérios para a seleção de conteúdos ...................................................................56
Conteúdos gerais de Arte .......................................................................................56

2ª PARTE
Artes Visuais ............................................................................................................ 61
Expressão e comunicação na prática dos alunos em artes visuais .........................62
As artes visuais como objeto de apreciação significativa .......................................63
As artes visuais como produto cultural e histórico ....................................................64

Dança  ........................................................................................................................67
A dança na expressão e na comunicação humana ..............................................70
A dança como manifestação coletiva ...................................................................71
A dança como produto cultural e apreciação estética .........................................72

Música  .......................................................................................................................75
Comunicação e expressão em música: interpretação,
improvisação e composição ..................................................................................78
Apreciação significativa em música: escuta, envolvimento e
compreensão da linguagem musical .....................................................................79
A música como produto cultural e histórico: música e sons do mundo ..................80

Teatro  .........................................................................................................................83
O teatro como expressão e comunicação ............................................................86
O teatro como produção coletiva .........................................................................87
O teatro com o produto cultural e apreciação estética .........................................88
Conteúdos relativos a valores, normas e atitudes ..................................................91

Critérios de avaliação  ..............................................................................................95
Critérios de avaliação em Arte ...............................................................................95
Avaliação de Artes Visuais .................................................................................95
Avaliação de Dança ........................................................................................97
Avaliação de Música ........................................................................................97
Avaliação de Teatro .........................................................................................99
Orientações para avaliação em Arte ...................................................................100

Orientações didáticas  .............................................................................................105
Criação e aprendizagem .....................................................................................106
A organização do espaço e do tempo de trabalho ......................................108
Os instrumentos de registro e documentação das atividades dos alunos ....... 109
A pesquisa de fontes de instrução e de comunicação em arte ..................... 109
A história da arte ............................................................................................. 110
A percepção de qualidades estéticas ........................................................... 110
A produção do professor e dos alunos ........................................................... 110
As atitudes dos alunos ..................................................................................... 113
Arte e os Temas Transversais .................................................................................. 113
Trabalho por projetos ............................................................................................ 117

Bibliografia  ............................................................................................................... 121

APRESENTAÇÃO
A educação em arte propicia o desenvolvimento do pensamento artístico, que caracteriza
um modo particular de dar sentido às experiências das pessoas: por meio dele, o aluno amplia a
sensibilidade, a percepção, a reflexão e a imaginação. Aprender arte envolve, basicamente, fazer
trabalhos artísticos, apreciar e refletir sobre eles. Envolve, também, conhecer, apreciar e refletir
sobre as formas da natureza e sobre as produções artísticas individuais e coletivas de distintas
culturas e épocas.
O documento de Arte expõe uma compreensão do significado da arte na educação,
explicitando conteúdos, objetivos e especificidades, tanto no que se refere ao ensino e à
aprendizagem, quanto no que se refere à arte como manifestação humana.
A primeira parte do documento contém o histórico da área no ensino fundamental e suas
correlações com a produção em arte no campo educacional; foi elaborada para que o professor
possa conhecer a área na sua contextualização histórica e ter contato com os conceitos relativos à
natureza do conhecimento artístico.
A segunda parte busca circunscrever as artes no ensino fundamental, destacando quatro
linguagens: Artes Visuais, Dança, Música e Teatro. Nela, o professor encontrará as questões relativas
ao ensino e à aprendizagem em arte para as primeiras quatro séries, objetivos, conteúdos, critérios
de avaliação, orientações didáticas e bibliografia.
Ambas as partes estão organizadas de modo a oferecer um material sistematizado para as
ações dos educadores, fornecendo subsídios para que possam trabalhar com a mesma competência
exigida para todas as disciplinas do projeto curricular.
A leitura do documento pode ser feita a partir de qualquer das linguagens, em consonância
com o trabalho que estiver sendo desenvolvido. Entretanto, recomenda-se sua leitura global, a fim
de que, no tratamento didático, o professor possa respeitar a seleção e a seriação das linguagens.
Secretaria de Educação Fundamental.

ARTE - 1ª PARTE

CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ARTE
Introdução
Na proposta geral dos Parâmetros Curriculares Nacionais, Arte1 tem uma função tão
importante quanto a dos outros conhecimentos no processo de ensino e aprendizagem. A
área de Arte está relacionada com as demais áreas e tem suas especificidades.
A educação em arte propicia o desenvolvimento do pensamento artístico e da percepção
estética, que caracterizam um modo próprio de ordenar e dar sentido à experiência humana:
o aluno desenvolve sua sensibilidade, percepção e imaginação, tanto ao realizar formas
artísticas quanto na ação de apreciar e conhecer as formas produzidas por ele e pelos colegas,
pela natureza e nas diferentes culturas.
Esta área também favorece ao aluno relacionar-se criadoramente com as outras
disciplinas do currículo. Por exemplo, o aluno que conhece arte pode estabelecer relações
mais amplas quando estuda um determinado período histórico. Um aluno que exercita continuamente
sua imaginação estará mais habilitado a construir um texto, a desenvolver estratégias
pessoais para resolver um problema matemático.
Conhecendo a arte de outras culturas, o aluno poderá compreender a relatividade dos
valores que estão enraizados nos seus modos de pensar e agir, que pode criar um campo de
sentido para a valorização do que lhe é próprio e favorecer abertura à riqueza e à diversidade
da imaginação humana. Além disso, torna-se capaz de perceber sua realidade cotidiana mais
vivamente, reconhecendo objetos e formas que estão à sua volta, no exercício de uma observação
crítica do que existe na sua cultura, podendo criar condições para uma qualidade de
vida melhor.
Uma função igualmente importante que o ensino da arte tem a cumprir diz respeito à
dimensão social das manifestações artísticas. A arte de cada cultura revela o modo de perceber,
sentir e articular significados e valores que governam os diferentes tipos de relações entre os
indivíduos na sociedade. A arte solicita a visão, a escuta e os demais sentidos como portas de
entrada para uma compreensão mais significativa das questões sociais. Essa forma de comunicação
é rápida e eficaz, pois atinge o interlocutor por meio de uma síntese ausente na
explicação dos fatos.
A arte também está presente na sociedade em profissões que são exercidas nos mais
diferentes ramos de atividades; o conhecimento em artes é necessário no mundo do trabalho
e faz parte do desenvolvimento profissional dos cidadãos.
O conhecimento da arte abre perspectivas para que o aluno tenha uma compreensão
do mundo na qual a dimensão poética esteja presente: a arte ensina que é possível transformar
continuamente a existência, que é preciso mudar referências a cada momento, ser flexível.
Isso quer dizer que criar e conhecer são indissociáveis e a flexibilidade é condição fundamental
para aprender.
O ser humano que não conhece arte tem uma experiência de aprendizagem limitada,
escapa-lhe a dimensão do sonho, da força comunicativa dos objetos à sua volta, da sonoridade
instigante da poesia, das criações musicais, das cores e formas, dos gestos e luzes que buscam
o sentido da vida.
1. Quando se trata da área curricular, grafa-se Arte; nos demais casos, arte.
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

A arte e a educação
Desde o início da história da humanidade a arte sempre esteve presente em praticamente
todas as formações culturais. O homem que desenhou um bisão numa caverna pré-histórica teve
que aprender, de algum modo, seu ofício. E, da mesma maneira, ensinou para alguém o que
aprendeu. Assim, o ensino e a aprendizagem da arte fazem parte, de acordo com normas e valores
estabelecidos em cada ambiente cultural, do conhecimento que envolve a produção artística em
todos os tempos. No entanto, a área que trata da educação escolar em artes tem um percurso
relativamente recente e coincide com as transformações educacionais que caracterizaram o século
XX em várias partes do mundo.
A mudança radical que deslocou o foco de atenção da educação tradicional, centrado apenas
na transmissão de conteúdos, para o processo de aprendizagem do aluno também ocorreu no âmbito
do ensino de Arte.
As pesquisas desenvolvidas a partir do início do século em vários campos das ciências humanas
trouxeram dados importantes sobre o desenvolvimento da criança, sobre o processo criador, sobre a arte de
outras culturas. Na confluência da antropologia, da filosofia, da psicologia, da psicanálise, da crítica de arte,
da psicopedagogia e das tendências estéticas da modernidade surgiram autores que formularam os princípios
inovadores para o ensino de artes plásticas, música, teatro e dança2 . Tais princípios reconheciam a arte da
criança como manifestação espontânea e auto-expressiva: valorizavam a livre expressão e a sensibilização
para a experimentação artística como orientações que visavam o desenvolvimento do potencial criador, ou
seja, eram propostas centradas na questão do desenvolvimento do aluno.
É importante salientar que tais orientações trouxeram uma contribuição inegável no sentido
da valorização da produção criadora da criança, o que não ocorria na escola tradicional. Mas o
princípio revolucionário que advogava a todos, independentemente de talentos especiais, a necessidade
e a capacidade da expressão artística foi aos poucos sendo enquadrado em palavras de
ordem, como, por exemplo, “o que importa é o processo criador da criança e não o produto que
realiza” e “aprender a fazer, fazendo”; estes e muitos outros lemas foram aplicados mecanicamente
nas escolas, gerando deformações e simplificações na idéia original, o que redundou na
banalização do “deixar fazer” — ou seja, deixar a criança fazer arte, sem nenhum tipo de intervenção.
Ao professor destinava-se um papel cada vez mais irrelevante e passivo. A ele não cabia
ensinar nada e a arte adulta deveria ser mantida fora dos muros da escola, pelo perigo da influência
que poderia macular a “genuína e espontânea expressão infantil”.
O princípio da livre expressão enraizou-se e espalhou-se pelas escolas, acompanhado pelo
“imprescindível” conceito de criatividade, curioso fenômeno de consenso pedagógico, presença obrigatória
em qualquer planejamento, sem que parecesse necessário definir o que esse termo queria dizer.
O objetivo fundamental era o de facilitar o desenvolvimento criador da criança. No entanto,
o que se desencadeou como resultado da aplicação indiscriminada de idéias vagas e imprecisas
sobre a função da educação artística foi uma descaracterização progressiva da área. Tal estrutura conceitual foi perdendo o sentido, principalmente para os alunos. Além disso, muitos dos objetivos
arrolados nos planejamentos dos professores de Arte poderiam também compor outras disciplinas
do currículo, como, por exemplo, desenvolver a criatividade, a sensibilidade, o autocontrole, etc.
Na entrada da década de 60, arte-educadores, principalmente americanos, lançaram as bases
para uma nova mudança de foco dentro do ensino de Arte, questionando basicamente a idéia do
desenvolvimento espontâneo da expressão artística da criança e procurando definir a contribuição
específica da arte para a educação do ser humano.
A reflexão que inaugurou uma nova tendência, cujo objetivo era precisar o fenômeno artístico
como conteúdo curricular, articulou-se num duplo movimento: de um lado, a revisão crítica da
livre expressão; de outro, a investigação da natureza da arte como forma de conhecimento.
Como em todos os momentos históricos, o pensamento produzido por esses autores estava
estreitamente vinculado às tendências do conhecimento da época, manifestadas principalmente
na lingüística estrutural, na estética, na pedagogia, na psicologia cognitivista, na própria produção
artística, entre outras.
Assim, a crítica à livre expressão questionava a aprendizagem artística como conseqüência
automática do processo de maturação da criança.
No início da década de 70 autores responsáveis pela mudança de rumo do ensino de Arte
nos Estados Unidos3 afirmavam que o desenvolvimento artístico é resultado de formas complexas
de aprendizagem e, portanto, não ocorre automaticamente à medida que a criança cresce; é tarefa
do professor propiciar essa aprendizagem por meio da instrução. Segundo esses autores, as
habilidades artísticas se desenvolvem por meio de questões que se apresentam à criança no decorrer
de suas experiências de buscar meios para transformar idéias, sentimentos e imagens num objeto
material. Tal experiência pode ser orientada pelo professor e nisso consiste sua contribuição para
a educação da criança no campo da arte.
Atualmente, professores de todos os cantos do mundo se preocupam em responder perguntas
básicas que fundamentam sua atividade pedagógica: “Que tipo de conhecimento caracteriza a
arte?”, “Qual a função da arte na sociedade?”, “Qual a contribuição específica que a arte traz para
a educação do ser humano?”, “Como as contribuições da arte podem ser significativas e vivas
dentro da escola?” e “Como se aprende a criar, experimentar e entender a arte e qual a função do
professor nesse processo?”.
As tendências que se manifestaram no ensino de Arte a partir dessas perguntas geraram as
condições para o estabelecimento de um quadro de referências conceituais solidamente
fundamentado dentro do currículo escolar, focalizando a especificidade da área e definindo seus
contornos com base nas características inerentes ao fenômeno artístico.
A partir desse novo foco de atenção, desenvolveram-se muitas pesquisas, dentre as quais se
ressaltaram as que investigam o modo de aprender dos artistas. Tais trabalhos trouxeram dados
importantes para as propostas pedagógicas, que consideram tanto os conteúdos a serem ensinados
quanto os processos de aprendizagem dos alunos. As escolas brasileiras têm manifestado a influência
das tendências ocorridas ao longo da história do ensino de Arte em outras partes do mundo.
2. Esses princípios influenciaram o que se chamou “Movimento da Educação através da Arte”. Fundamentado principalmente nas idéias do filósofo inglês Herbert Read, esse movimento teve como manifestação mais conhecida a tendência da livre expressão que, ao mesmo tempo, foi largamente influenciada pelo trabalho inovador de Viktor Lowenfeld, divulgado no final da década de 40. V. Lowenfeld, entre outros, acreditava que a potencialidade criadora se desenvolveria naturalmente em estágios sucessivos desde que se oferecessem condições.
3. E. B. Feldman, Thomas Munro e Elliot Eisner, ancorados em John Dewey, trataram das mudanças conceituais desse período.
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

Histórico do ensino de Arte no Brasil
e perspectivas

Ao recuperar, mesmo que brevemente, a história do ensino de Arte4 no Brasil, pode-se
observar a integração de diferentes orientações quanto às suas finalidades, à formação e atuação
dos professores, mas, principalmente, quanto às políticas educacionais e os enfoques filosóficos,
pedagógicos e estéticos.
O ensino de Arte é identificado pela visão humanista e filosófica que demarcou as tendências
tradicionalista e escolanovista5. Embora ambas se contraponham em proposições, métodos e entendimento
dos papéis do professor e do aluno, ficam evidentes as influências que exerceram nas ações escolares de
Arte. Essas tendências vigoraram desde o início do século e ainda hoje participam das escolhas pedagógicas
e estéticas de professores de Arte.
Na primeira metade do século XX, as disciplinas Desenho, Trabalhos Manuais, Música e Canto
Orfeônico faziam parte dos programas das escolas primárias e secundárias, concentrando o conhecimento
na transmissão de padrões e modelos das culturas predominantes. Na escola tradicional, valorizavam-se
principalmente as habilidades manuais, os “dons artísticos”, os hábitos de organização e precisão, mostrando
ao mesmo tempo uma visão utilitarista e imediatista da arte. Os professores trabalhavam com exercícios e
modelos convencionais selecionados por eles em manuais e livros didáticos. O ensino de Arte era voltado
essencialmente para o domínio técnico, mais centrado na figura do professor; competia a ele “transmitir”
aos alunos os códigos, conceitos e categorias, ligados a padrões estéticos que variavam de linguagem para
linguagem mas que tinham em comum, sempre, a reprodução de modelos.
A disciplina Desenho, apresentada sob a forma de Desenho Geométrico, Desenho do Natural e
Desenho Pedagógico, era considerada mais por seu aspecto funcional do que uma experiência em arte; ou
seja, todas as orientações e conhecimentos visavam uma aplicação imediata e a qualificação para o trabalho.
As atividades de teatro e dança somente eram reconhecidas quando faziam parte das festividades
escolares na celebração de datas como Natal, Páscoa ou Independência, ou nas festas de final de período
escolar. O teatro era tratado com uma única finalidade: a da apresentação. As crianças decoravam os
textos e os movimentos cênicos eram marcados com rigor.
Em Música, a tendência tradicionalista teve seu representante máximo no Canto Orfeônico, projeto
preparado pelo compositor Heitor Villa-Lobos, na década de 30. Esse projeto constitui referência importante
por ter pretendido levar a linguagem musical de maneira consistente e sistemática a todo o País. O Canto
Orfeônico difundia idéias de coletividade e civismo, princípios condizentes com o momento político de então.
Entre outras questões, o projeto Villa-Lobos esbarrou em dificuldades práticas na orientação de
professores e acabou transformando a aula de música numa teoria musical baseada nos aspectos matemáticos e visuais do código musical com a memorização de peças orfeônicas, que, refletindo a época, eram de caráter folclórico, cívico e de exaltação.
Depois de cerca de trinta anos de atividades em todo o Brasil, o Canto Orfeônico foi substituído pela
Educação Musical, criada pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira de 1961, vigorando efetivamente a partir de meados da década de 60.