MINHA PAIXÃO - ARTE/S

"DEUS ESTE ANO ME ABENÇOOU ME DEVOLVENDO A OPORTUNIDADE DE RETORNAR A FUNÇÃO QUE TANTO GOSTO DE MINISTRAR AULAS DE ARTE/S".

No entanto resolvi fazer uso deste Blog, para salva guardar todos os conteúdos, atividades teóricas e práticas com registros digitados e fotografados que irei ministrar por cada turma a cada bimestre, na intenção de auxiliar a mim, a meus alunos e a outros interessados.

Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção. Paulo Freire

segunda-feira, 23 de junho de 2014

TURMA 8ª ANO "A" - EF

Conteúdos do 1º Semestre

NEOCLASSICISMO

Nas duas últimas décadas do século XVIII e nas três primeiras do século XIX, uma nova tendência estética predominou nas criações dos artistas europeus. Trata-se do Neoclassicismo (neo = novo), que expressou os valores próprios de uma nova e fortalecida burguesia, que assumiu a direção da Sociedade européia após a Revolução Francesa e principalmente com o Império de Napoleão. 

Principais características: 

• retorno ao passado, pela imitação dos modelos antigos greco-latinos;
• academicismo nos temas e nas técnicas, isto é, sujeição aos modelos e às regras ensinadas nas escolas ou academias de belas-artes;
• arte entendida como imitação da natureza, num verdadeiro culto à teoria de Aristóteles.

ARQUITETURA

Tanto nas construções civis quanto nas religiosas, a arquitetura neoclássica seguiu o modelo dos templos greco-romanos ou o das edificações do Renascimento italiano. Exemplos dessa arquitetura são a igreja de Santa Genoveva, transformada depois no Panteão Nacional, em Paris, e a Porta do Brandemburgo, em Berlim. 

PINTURA

A pintura desse período foi inspirada principalmente na escultura clássica grega e na pintura renascentista italiana, sobretudo em Rafael, mestre inegável do equilíbrio da composição. 

Características da pintura: 

• Formalismo na composição, refletindo racionalismo dominante.
• Exatidão nos contornos
• Harmonia do colorido

Os maiores representantes da pintura neoclássica são, sem dúvida, 

Jacques-Louis David

- foi considerado o pintor da Revolução Francesa, mais tarde, tornou-se o pintor oficial do Império de Napoleão. Durante o governo de Napoleão, registrou fatos históricos ligados à vida do imperador. Suas obras geralmente expressam um vibrante realismo, mas algumas delas exprimem fortes emoções. Obra destacada: Bonaparte atravessando os Alpes e Morte de Marat 
   

Jean-Auguste-Dominique Ingres

(1780-1867), o pintor foi uma espécie de cronista visual da sociedade de seu tempo. Ingres acreditava qua a tarefa primordial da arte era produzir quadros históricos. Ardoroso defensor da pureza das formas, ele afirmava, por exemplo, que desenhar uma linha perfeita era muito mais importante do que colorir. " A pincelada deve ser tão fina como a casca de uma cebola", repetia a seus alunos. Sua obra abrange, além de composições mitológicas e literárias, nus, retratos e paisagens, mas a crítica moderna vê nos retratos e nus o seu trabalho mais admirável. Ingres soube registrar a fisionomia da classe burguesa do seu tempo, principalmente no gosto pelo poder e na sua confiança na individualidade. Amante declarado da tradição. Ingres passou a vida brigando contra a vanguarda artística francesa representada pelo pintor romântico Eugène Delacroix, contudo foi Ingres, e não o retórico e inflamado Delacroix, o mais revolucionário dos dois. A modernidade de Ingres está justamente na visão distanciada que tinha de sue retratados, na recusa a produzir qualquer julgamento moral a respeito deles, numa época em que se consumava o processo de aliança entre a nobreza e a burguesia. O detalhismo também é uma das suas marcas registradas. Seus retratos são invariavelmente enriquecidos com mantos aveludados, rendas, flores e jóias. 

Para seu conhecimento:

Forte influência da arquitetura neoclássica foi a descoberta arqueológica das cidades italianas de Pompéia e Herculano que, no ano de 79 a.C., foram cobertas pelas lavas do vulcão Vesúvio. Diante daquelas construções, num erro de interpretação, os historiadores de arte acreditavam que os edifícios gregos eram recobertos com mármore branco, ocasionando a construção de tantos edifícios brancos. Exemplo: Casa Branca dos Estados Unidos.


REALISMO

Entre 1850 e 1900 surge nas artes européias, sobretudo na pintura francesa, uma nova tendência estética chamada Realismo, que se desenvolveu ao lado da crescente industrialização das sociedades. O Iníciom europeu, que tinha aprendido a utilizar o conhecimento científico e a técnica para interpretar e dominar a natureza, convenceu-se de que precisava ser realista, inclusive em suas criações artísticas, deixando de lado as visões subjetivas e emotivas da realidade. 

São características gerais: 

• o cientificismo
• a valorização do objeto
• o sóbrio e o minucioso
• a expressão da realidade e dos aspectos descritivos

ARQUITETURA
Os arquitetos e engenheiros procuram responder adequadamente às novas necessidades urbanas, criadas pela industrialização. As cidades não exigem mais ricos palácios e templos. Elas precisam de fábricas, estações, ferroviárias, armazéns, lojas, bibliotecas, escolas, hospitais e moradias, tanto para os operários quanto para a nova burguesia. 
Em 1889, Gustavo Eiffel levanta, em Paris, a Torre Eiffel, hoje logotipo da "Cidade Luz".

ESCULTURA
Auguste Rodin - não se preocupou com a idealização da realidade. Ao contrário, procurou recriar os seres tais como eles são. Além disso, os escultores preferiam os temas contemporâneos, assumindo muitas vezes uma intenção política em suas obras. Sua característica principal é a fixação do momento significativo de um gesto humano. 
Obras destacadas: Balzac, Os Burgueses de Calais, O Beijo e O Pensador.

PINTURA
Características da pintura:

• Representação da realidade com a mesma objetividade com que um cientista estuda um fenômeno da natureza, ou seja o pintor buscava representar o mundo de maneira documental;
• Ao artista não cabe "melhorar" artisticamente a natureza, pois a beleza está na realidade tal qual ela é; e.
• Revelação dos aspectos mais característicos e expressivos da realidade.

Temas da pintura: 

• Politização: a arte passa a ser um meio para denunciar uma ordem social que consideram injusta; a arte manifesta um protesto em favor dos oprimidos.
• Pintura social denunciando as injustiças e as imensas desigualdades entre a miséria dos trabalhadores e a opulência da burguesia. As pessoas das classes menos favorecidas - o povo, em resumo - tornaram-se assunto freqüente da pintura realista. Os artistas incorporavam a rudeza, a fealdade, a vulgaridade dos tipos que pintavam, elevando esses tipos à categoria de heróis. Heróis que nada têm a ver com os idealizados heróis da pintura romântica. 

Principais pintores: 

Courbet
- foi considerado o criador do realismo social na pintura, pois procurou retratar em suas telas temas da vida cotidiana, principalmente das classes populares. Manifesta sua simpatia particular pelos trabalhadores e pelos Inícions mais pobres da sociedade no século XIX. Obra destacada: Moças Peneirando o Trigo. 

Jean-François Millet
sensível observador da vida campestre, criou uma obra realista na qual o principal elemento é a ligação atávica do Iníciom com a terra. Foi educado num meio de profunda religiosidade e respeito pela natureza. Trabalhou na lavoura desde muito cedo. Seus numerosos desenhos de paisagens influenciaram, mais tarde, Pissarro e Van Gogh. É o caso, por exemplo, "Angelus". 

Para seu conhecimento:
Courbet dizia: "Sou democrata, republicano, socialista, realista, amigo da verdade e verdadeiro" 

A palavra realismo designa uma maneira de agir, de interpretar a realidade. Esse comportamento caracteriza-se pela objetividade, por uma atitude racional das coisas pode ocorrer em qualquer tempo da história. 

O termo Realismo significa um estilo de época que predominou na segunda metade do século XIX.
http://www.historiadaarte.com.br/linha/realismo.html




ROMANTISMO

O século XIX foi agitado por fortes mudanças sociais, políticas e culturais causadas por acontecimentos do final do século XVIII que foram a Revolução Industrial que gerou novos inventos com o objetivo de solucionar os problemas técnicos decorrentes do aumento de produção, provocando a divisão do trabalho e o início da especialização da mão-de-obra, e pela Revolução Francesa que lutava por uma sociedade mais harmônica, em que os direitos individuais fossem respeitados, traduziu-se essa expectativa na Declaração dos Direitos do Iníciom e do Cidadão. Do mesmo modo, a atividade artística tornou-se complexa. 
Os artistas românticos procuraram se libertar das convenções acadêmicas em favor da livre expressão da personalidade do artista. 

Características gerais: 

• a valorização dos sentimentos e da imaginação; 
• o nacionalismo; 
• a valorização da natureza como princípios da criação artística; e 
• os sentimentos do presente tais como: Liberdade, Igualdade e Fraternidade. 

ARQUITETURA E ESCULTURA
A escultura e a arquitetura registram pouca novidade. Observa-se, grosso modo, a permanência do estilo anterior, o neoclássico. Vez por outra retomou-se o estilo gótico da época medieval, gerando o neogótico. 
Obra Destacada: Edifício do Parlamento Inglês 

PINTURA
Características da pintura: 

• Aproximação das formas barrocas; 
• Composição em diagonal sugerindo instabilidade e dinamismo ao observador; 
• Valorização das cores e do claro-escuro; e 
• Dramaticidade 

Temas da pintura: 

• Fatos reais da história nacional e contemporânea da vida dos artistas; 
• Natureza revelando um dinamismo equivalente as emoções humanas; e 
• Mitologia Grega 

Principais artistas: 

Goya
- Nasceu no pequeno povoado de Fuendetodos, Espanha, em 1746. Morreu em Bordeaux, em 1828. Goya e sua mitologia povoada por sonhos e pesadelos, seres deformados, tons opressivos. Senhor absoluto da caricatura do seu tempo. Trabalhou temas diversos: retratos de personalidades da corte espanhola e de pessoas do povo, os horrores da guerra, a ação incompreensível de monstros, cenas históricas e as lutas pela liberdade. Obra destacada: Os Fuzilamentos de 3 de maio de 1808. 

Turner
- representou grandes movimentos da natureza, mas por meio do estudo da luz que a natureza reflete, procurou descrever uma certa atmosfera da paisagem. Uma das primeiras vezes que a arte registra a presença da máquina (locomotiva). Obras destacadas: Chuva, Vapor e Velocidade e O Grande Canal, Veneza. 

Eugène Delacroix
(1798-1863), suas obras apresentam forte comprometimento político e o valor da pintura é assegurada pelo uso das cores, das luzes e das sombras, dando-nos a sensação de grande movimentação. Representava assuntos abstratos personificando-os (alegorias). Culto, dono de uma língua ferina, rico e namorador. Amigo do compositor Frèderic Chopin, inimigo do romancista Honoré de Balzac, admirado pelo poeta Charles Baudelaire e indiferente às demais celebridades de seu tempo, Delacroix tinha noção da própria grandeza. "A principal qualidade de um quadro é ser uma festa para os olhos", escreveu na derradeira nota de seus famosos diários, em 1963, menos de dois meses antes de morrer. Nascido num momento crucial da História da França, aquele em que a burguesia revolucionária colhia os frutos de seu triunfo sobre o monarquia dos reis Capeto, o pintor viveu a maior parte da vida jovem e adulta num mundo que voltava aos poucos à antiga ordem natural das coisas. Assistiu à ascensão e queda de Napoleão Bonaparte, a restauração da dinastia dos Bourbon e, finalmente, a entronização do rei Luís Felipe, em 1830. Seu quadro mais conhecido A Liberdade Guiando o Povo, muitas vezes tomado como um símbolo das lutas populares e republicanas, foi feito por inspiração do movimento que levou Luís Felipe ao trono da França. 
 
Para seu conhecimento:
A palavra romantismo designa uma maneira de se comportar, de agir, de interpretar a realidade. O comportamento romântico caracteriza-se pelo sonho, por uma atitude emotiva diante das coisas e esse comportamento pode ocorrer em qualquer tempo da história. 
Romantismo designa uma tendência geral da vida e da arte; portanto, nomeia um sistema, um estilo delimitado no tempo.
http://www.historiadaarte.com.br/linha/romantismo.html

As características do Art Nouveau


As cores e formas vistas no Parque Guell: uma das significativas expressões do Art Nouveau.
As cores e formas vistas no Parque Guell: uma das significativas expressões do Art Nouveau.
Tendo a crise gerada pela industrialização como sua primeira apreensão, as manifestações do Art Nouveau se mostram constantemente preocupadas em conferir a habilidade de seus representantes na exploração de traços obtidos na natureza. A sinuosidade e a complexidade das formas operavam como um tipo de confirmação dos limites que a produção industrial teria no mundo das artes. Em outras palavras, a existência de formas de plantas e animais demonstraria a exata distância que difere o labor artístico da reprodução realizada pelas máquinas.
Ao mesmo tempo, devemos também frisar que as opções desse estilo estavam manifestadas na escolha de materiais que se afastavam da matéria-prima comumente encontrada nos ambientes fabris. Os materiais deveriam reforçar a singularidade da ação artística, sendo dessa forma, trabalhados por meio de tantas etapas e processos que não poderiam se adequar precisamente à determinação de um produto que pudesse ser refeito utilizando-se dos mesmos materiais e da mesma técnica. Sem dúvida, tínhamos uma engenhosa provocação ao poder que as máquinas galgavam naquela época.
Também devemos aqui salientar que o Art Nouveau teve grande força para que seu estilo se manifestasse em diferentes campos da arte. Dessa forma, quadros, móveis, objetos de decoração e edifícios integraram essa mesma tendência. No campo das artes plásticas, podemos destacar o legado de Gustav Klimt (1862 - 1918), autor de "O beijo" (1907); Henri de Toulouse-Lautrec (1864 - 1901), que assina "Baile no Moulin Rouge" (1890); e Pierre Bonnard (1867 - 1947), criador de "Prato de Maçãs em Cima de uma Mesa" de 1905.
Na arquitetura e na decoração é possível encontrar um grande número de objetos representantes de tal tendência. Tanto na parte externa como interna das construções, observamos a existência de labaredas, flores, folhagens e animais que conferiam a organicidade e a naturalidade pretendida pelos seus autores. Entre outros, podemos reservar especial destaque ao legado de Antoni Gaudí (1852 - 1926), que se notabilizou pelos mosaicos encontrados no Parque Guell e as grandes e surpreendentes formas exploradas na Catedral da Sagrada Família, situada em Barcelona.
Em terras brasileiras, o Art Nouveau acabou surgindo como uma grande influência da produção europeia. A edição de vários cartazes e revistas do início da República apresentava uma ornamentação ocupada por formas florais e curvilíneas. Na cidade de Manaus, a prosperidade econômica trazida pelo comércio da borracha abriu espaço para esse novo tipo de concepção. Em geral, a influência do estilo foi comumente chamada pelo nome de "arte floreal".
Por Rainer Sousa
Mestre em História